05 maio 2008

Material do André Campos, do mini-retiro do dia 19 de Abril

Espiritualidade a baixo preço…


  • Mar 11:15 Chegaram, pois, a Jerusalém. E entrando ele no templo, começou a expulsar os que ali vendiam e compravam; e derribou as mesas dos cambistas, e as cadeiras dos que vendiam pombas;


  • Mar 11:16 e não consentia que ninguém atravessasse o templo levando qualquer utensílio;

  • Mar 11:17 e ensinava, dizendo-lhes: Não está escrito: A minha casa será chamada casa de oração para todas as nações? Vós, porém, a tendes feito covil de salteadores.

  • Mar 11:18 Ora, os principais sacerdotes e os escribas ouviram isto, e procuravam um modo de o matar; pois o temiam, porque toda a multidão se maravilhava da sua doutrina.


  • Espiritualidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Dimensão da pessoa humana que traduz, segundo diversas religiões e confissões religiosas, o modo de viver característico de um crente que busca alcançar a plenitude da sua relação com o Transcendente. Cada uma das referidas religiões comporta uma dimensão específica a esta descrição geral, mas, em todos os casos, se pode dizer que a "espiritualidade" «traduz uma dimensão do homem, enquanto é visto como ser naturalmente religioso, que constitui, de modo temático ou implícito, a sua mais profunda essência e aspiração» (Ref. George Brown - "Spirituality: history and perspectives").


  • O leitor entende que o seu envolvimento no culto público deve ser cada vez mais facilitado, «rentabilizando» o tempo de maneira a poder cumprir cada vez mais obrigações religiosas em cada vez menos tempo?


  • Aprecia pregadores ou pastores «abertos» que não se queixam perante os seus lapsos e descuidos, a sua falta de pontualidade e a sua falta de reverência nos actos religiosos, tentando ser o mais «facilitadores» possível?


  • Prefere um ambiente religioso que o faça «sentir-se bem», e que atrai muitos visitantes, em comparação com um em que o pregador o «incomoda» com temas como o pecado e o arrependimento – temas estes que podem fazer com que não se sinta tão bem?


  • Acha que uma pessoa que agisse no espírito deste jovem rabí teria alguma razão para denunciar atitudes no movimento evangélico actual que denotam um espírito comercial?

  • Mal 1:1 A palavra do Senhor a Israel, por intermédio de Malaquias.

  • Mal 1:2 Eu vos tenho amado, diz o Senhor. Mas vós dizeis: Em que nos tens amado? Acaso não era Esaú irmão de Jacó? diz o Senhor; todavia amei a Jacó,

  • Mal 1:3 e aborreci a Esaú; e fiz dos seus montes uma desolação, e dei a sua herança aos chacais do deserto.

  • Mal 1:4 Ainda que Edom diga: Arruinados estamos, porém tornaremos e edificaremos as ruínas; assim diz o Senhor dos exércitos: Eles edificarão, eu, porém, demolirei; e lhes chamarão: Termo de impiedade, e povo contra quem o Senhor está irado para sempre.

  • Mal 1:5 E os vossos olhos o verão, e direis: Engrandecido é o Senhor ainda além dos termos de Israel.

  • Mal 1:6 O filho honra o pai, e o servo ao seu amo; se eu, pois, sou pai, onde está a minha honra? e se eu sou amo, onde está o temor de mim? diz o Senhor dos exércitos a vós, ó sacerdotes, que desprezais o meu nome. E vós dizeis: Em que temos nós desprezado o teu nome?

  • Mal 1:7 Ofereceis sobre o meu altar pão profano, e dizeis: Em que te havemos profanado? Nisto que pensais, que a mesa do Senhor é desprezível.

  • Mal 1:8 Pois quando ofereceis em sacrifício um animal cego, isso não é mau? E quando ofereceis o coxo ou o doente, isso não é mau? Ora apresenta-o ao teu governador; terá ele agrado em ti? ou aceitará ele a tua pessoa? diz o Senhor dos exércitos.

  • Mal 1:9 Agora, pois, suplicai o favor de Deus, para que se compadeça de nós. Com tal oferta da vossa mão, aceitará ele a vossa pessoa? diz o Senhor dos exércitos.



  • Em que medida aceita os argumentos usados a favor de certas práticas no meio cristão, que são essencialmente comerciais: «dá resultado ..... as pessoas gostam.... as igrejas que fazem assim têm um grande crescimento numérico»?

  • Mal 1:10 Oxalá que entre vós houvesse até um que fechasse as portas para que não acendesse debalde o fogo do meu altar. Eu não tenho prazer em vós, diz o Senhor dos exércitos, nem aceitarei oferta da vossa mão.

  • Mal 1:11 Mas desde o nascente do sol até o poente é grande entre as nações o meu nome; e em todo lugar se oferece ao meu nome incenso, e uma oblação pura; porque o meu nome é grande entre as nações, diz o Senhor dos exércitos.

  • Mal 1:12 Mas vós o profanais, quando dizeis: A mesa do Senhor é profana, e o seu produto, isto é, a sua comida, é desprezível.

  • Mal 1:13 Dizeis também: Eis aqui, que canseira! e o lançastes ao desprezo, diz o Senhor dos exércitos; e tendes trazido o que foi roubado, e o coxo e o doente; assim trazeis a oferta. Aceitaria eu isso de vossa mão? diz o Senhor.

  • Mal 1:14 Mas seja maldito o enganador que, tendo animal macho no seu rebanho, o vota, e sacrifica ao Senhor o que tem mácula; porque eu sou grande Rei, diz o Senhor dos exércitos, e o meu nome é temível entre as nações.

  • Malaquias é escrito já no pós-exílio (cerca de 100 anos após o retorno dos judeus à Palestina), estiveram cerca de 70 anos debaixo do domínio da Babilónia e após esse período houve uma mudança radical na cultura judaica que até aí eram uma comunidade agro-pastoril, pois froam expostos a uma cultura completamente diferente, aliás era essa mesmo a intenção do império Babilónico.

  • É aí que este livro de Malaquias é escrito e de certa forma isso é o que nos acontece hoje. Estamos expostos a uma cultura globalizada que nos esmaga muitas vezes e nos pressiona de uma maneira tremenda. A informação chega de qualquer lugar do mundo a qualquer lugar do mundo em instantes. Por isso nós estamos expostos a uma cultura global. Hoje temos a Internet, os telefones móveis, falamos para qualquer lugar do mundo a qualquer hora em instantes, enviamos ficheiros, fotografias, “quase” em qualquer lugar do mundo. A chamada experiência televisiva está a mudar o paradigma, dentro de algum tempo (muito pouco aliás) vamos ver televisão onde quisermos, os “nossos” programas, a televisão feita à medida de cada um, e a interactividade já chegou à televisão.

  • A igreja sofre também o impacto da cultura e das pressões e isto reflecte-se na vida espiritual e no comportamento religioso dos nossos dias. A igreja nos nossos dias tornou-se utilitarista, ou seja, funciona quando tem para nós uma utilidade, um fim a atingir.

  • O “Homem” dos nossos dias vive o desencanto, a nível humano, a nível profissional, a nível político, a nível relacional… parece que tudo falhou e aí começamos a viver mais no sentido prático, viver a vida da melhor maneira possível, deixamos de lutar, e vivemos o cristianismo (a vida cristã) da mesma forma. Queremos aquilo que nos dê satisfação imediata e a um custo o mais baixo possível, com menos problemas possível, menos dificuldades. Então tudo o que nos traga o melhor é bem-vindo.

  • Passamos a funcionar numa relação cliente-fornecedor. Deus é o fornecedor e nós os clientes, e hoje em dia vemos cada vez mais o povo de Deus a comportar-se como meros clientes. E qual é a lógica do cliente, o cliente procura o melhor serviço pelo menor preço, com melhor conforto, com melhor acessibilidade.

  • Para quê oferecer o melhor para Deus, se eu posso oferecer qualquer coisa. No V.7-8 do capítulo 1 de Malaquias temos exactamente esta ideia de que Deus como fornecedor dava o que precisavam e aí davam o mínimo para Deus. Perderam o sentido relacional de Deus como Pai, como Senhor.

  • As pessoas de hoje em dia também não conhecem mais o coração de Deus como Pai. Têm uma visão de Deus como utilitário, Ele é uma “força” que nos proporciona aquilo que necessitamos em troca de um culto meramente “religioso”.