05 outubro 2007

O INCÊNDIO

Na segunda feira, dia 1 de Outubro, estava tranquilamente a começar a assar a carne para o almoço, quando o John (que, com a Laura, ainda está aqui no Centro, à espera do fim das obras na casa no Porto), veio perguntar: «É suposto a erva à frente da casa estar a arder?».
Quando fui ver, estava mesmo a arder. E não era suposto.
Também estava a arder a erva na propriedade dos vizinhos e o vento vinha desse lado. A mãe da nossa vizinha estava a trazer baldes de água, mas as chamas só subiam mais.
Do nosso lado havia uns baldes, alguns rotos, outros sem asa, e uma mangueira desconjuntada que não chegava ao lugar das chamas.
O pior é que as chamas estavam a avançar na direcção do pinhal do vizinho. Tivemos que tentar segurar a mangueira de maneira a fazer chegar uma parte da água até a parte que estava a arder. E, entre os baldes, houve alguns que ainda podiam ser usados. Veio o Ricardo para ajudar, e a Branca, que está connosco no Centro.
Não pudemos dar atenção ao fogo do lado dos vizinhos, porque o pinhal do outro lado da nossa propriedade estava em perigo. A vizinha, que tem problemas de saúde, ficou quase em desespero.
Chamámos os bombeiros e, enquanto chegavam, fomos lutando do nosso lado. O John trouxe um tapete velho e entre todos conseguimos que as chamas parassem - a um metro praticamente do pinhal. Do lado dos vizinhos as chamas foram consumindo mais (só que era vegetação que de qualquer maneira queriam queimar). O pior seria se o vento mudasse e as chamas fossem para a propriedade dos vizinhos do outro lado.
Quando os bombeiros chegaram dominaram as chamas todas em poucos minutos.

Com o meu «vício» de pregador, de tentar tirar lições das situações, fui pensando. Dei graças a Deus pelo facto de as chamas pararem. Não era um exemplo maravilhoso da Sua graça? Mas, alguém podia dizer, «se vocês não tivessem lutado, mesmo com mangueiras e baldes rotos, o pinhal não teria ardido?». Então, afinal, é graça divina, ou são obras humanas? Ou é uma mistura das duas coisas?
O que teria valido o nosso esforço se o vento tivesse sido um pouco mais forte... se a erva tivesse crescido um pouco mais.... se tudo tivesse acontecido numa hora em que não estivéssemos em casa? Mesmo a nossa luta foi com a energia que Ele nos deu -e o facto de os baldes e as mangueiras, que nós deixámos estragar, ainda funcionarem em parte, teve alguma coisa a ver com a Sua misericórdia! Tudo isto diz qualquer coisa sobre a relação entre o nosso esforço e a graça divina. Filipenses 2:12-13!

Depois, pensei: «não devíamos ter dado mais atenção à propriedade dos vizinhos». O erro teria sido deles, mas nós não devíamos lutar para que eles não apanhassem piores consequências? O que teria pensado alguém a passar, ao ver-nos lutar desesperadamente para apagar as chamas do nosso lado, aparentemente ignorando o problema deles?
Eles, os vizinhos, depois disseram que estavam mais preocupados com o pinhal ao lado da nossa propriedade e, eventualmente, caso o vento mudasse, com a propriedade do outro lado do deles. Tratando da parte que era propriedade do Centro, apesar de representar pouco prejuízo, sendo um terreno em que a erva facilmente crescerá de novo, estávamos sem dúvida a fazer o melhor possível para que o problema não tivesse piores consequências.

Aqui, se houver outro «moral da história», deixo aos nossos leitores a oportunidade de dizerem qual é.
O nosso blog agora está preparado para aceitar comentários.
Aguardamos!

6 comentários:

Anónimo disse...

Uma "moral" possível, para além das já mencionadas, tem a ver com a nossa participação no plano de Deus. Cumprindo a tarefa que nos é destinada, neste caso combater o fogo que surgiu na propriedade, estamos a colaborar num plano global, a extinção do incêndio. A vivência cristã tem a ver com isto: cumprir da melhor forma a tarefa que nos foi destinada por Deus, sabendo que a nossa acção faz parte de um plano, de sucesso, previamente definido.
Um abraço.

Pedro Leal

Anónimo disse...

Havendo um material combustível, oxigénio e uma fonte calor o incêndio pode acontecer! É química? Sim! Mas não é menos espiritual dado que acredito que Deus dessa forma possibilitado a existência de fogo!...

Quanto à "moralidade" será a mesma de outro acidente que pode acontecer a um crente e ou suas posses dentro da "vontade permissiva" de Deus (vd. Jacó !?).

O porquê? Em breve, estando com Ele saberemos, se Deus quiser.

Paz!

O Canto da Rola disse...

Muito obrigado pelas duas respostas!
A do Pedro Leal correspondia exactamente à ideia que estava na minha mente e que estava a tentar pôr em palavras!

O Canto da Rola disse...

Os dois comentários recebidos - e o meu.

A. Campos disse...

Sem dúvida interessante...
Ao ler desta vossa "experiência", também me assaltou a mente o facto de os baldes estarem rotos e a mangueira desconjuntada, e para além de efectivamente muitas vezes os "deixarmos estragar", Deus usa-nos apesar de "rotos" e "desconjuntados", mesmo quando somos nós próprios que nos deixamos chegar a esse ponto, não cuidando do "templo" que é o nosso corpo físico, a nossa mente e o nosso espírito.
Foi bom, pelo menos deixou-me a pensar... ;)
Um grande abraço para toda a família,
André.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,