16 novembro 2007

Os 85 anos Os 85 anos de José Saramago e a história de uma maçaroca

Hoje, 16 de Novembro de 2007, o autor e Prémio Nobel, José Saramago, celebra os seus 85 anos. Há dias li a última obra publicada por Saramago, em Outubro de 2006, “As Pequenas Memórias”, que trata essencialmente da infância e adolescência do autor.

Achei a obra agradável na abordagem e transparente e honesta perante os familares e amigos que povoaram o mundo do pequeno José. Retrata o ambiente ribatejano da infância e o lisboeta, do período a seguir, de uma forma cativante.

Chamou-me a atenção de maneira especial a história de uma maçaroca.

Na penúltima página do livro, Saramago fala de um primo que faleceu jovem, chamado José Dinis. Lembra-se de momentos deliciosos em que comeram uma melancia juntos na borda do Tejo. Mas lembra-se, também, de um momento em que foi desleal com o José Dinis. E o problema foi por causa de uma maçaroca.

Passo a citar o episódio por extenso:

«Andávamos com a tia Maria Elvira no rabisco do milho, cada qual no seu eito, de sacola ao pescoço, a recolher as maçarocas que por desatenção tivessem ficado nas canoilas quando da apanha geral, e eis que vejo uma maçaroca enorme no eito do José Dinis e me calo para ver se ele passava sem dar por ela. Quando, vítima da sua pequena estatura, seguiu adiante, fui eu lá e arranquei-a. A fúria do pobre espoliado era digno de ver-se, mas a tia Maria Elvira e outros mais velhos que estavam perto deram-me razão, ele que a tivesse visto, eu não lha tinha tirado. Estavam enganados. Se eu fosse generoso ter-lhe-ia dado a maçaroca ou então tinha-lhe dito simplesmente: ”José Dinis, olha o que está aí à tua frente”. A culpa foi da constante rivalidade em que vivíamos, mas eu suspeito que no dia do Juízo Final, quando se puserem na balança as minhas boas e más acções,será o peso daquela maçaroca que me precipitará no inferno....»

Quando um autor declaradamente ateu fala sobre o Juízo Final, a nossa tendência como cristãos é de supor que deve a estar a ironizar!

Mas, pessoalmente, não achei nada irónico este pequeno relato. Na minha leitura Saramago recrimina-se severamente por não ter sido generoso com o primo. Culpa a rivalidade existente entre os primos pelo que sucedeu – mas reconhece que tirou a maçaroca numa atitude desenfreadamente egoista. O «peso» da maçaroca é muito grande porque tem a ver com uma culpa real que sente ... e que não pode reparar.

Comecei a pesar no número de «maçarocas» que existiram na minha infância e juventude: situações de ambição desenfreada em que colegas da escola, familiares e mesmo os meus pais sofreram por causa de ambições minhas que senti a necessidade de satisfazer à sua custa. Se eu quisesse reparar estas faltas não tinha nada a fazer. Não digo que uma «maçaroca» isolada nos precipite para o inferno: mas cada uma delas simboliza algo muito lamentável dentro do nosso espírito que bem queríamos erradicar –ou expiar – de alguma forma. Todo o nosso sentir, pensar e agir sofre do contágio fatal do pecado e o resultado justo é a nossa condenação eterna.

No meu caso, conheci desde a infância a doutrina bíblica que afirma que não podemos fazer nada para expiar nem as nossas más obras nem as «boas». Porque as que consideramos boas também ofendem o nosso Deus: as nossas «justiças», nas palavras de Isaías, são «trapos de imundícia».

A imagem do Juízo Final que Saramago apresenta, aprendido do catolicismo,é um em que, pelo menos em princípio, pode haver boas obras a compensar as más. Alguém poderia, supõe-se, ter boas suficientes para que o Juiz ficasse satisfeito.

Ensinaram-me que segundo a Bíblia, não é assim. Mesmo alguém que só tivesse obras que os homens consideram boas seria condenado.

A nossa dificuldade é reconhecer que nenhuma obra nossa é aceitável perante o Juíz. Nas diversas religiões, como Emil Brunner observa, «o homem é poupado da humilhação final de saber que, em vez dele, o mediador é quem deve levar o castigo. A esse jugo ele não precisa submeter-se. Ele não é deixado totalmente nu». No cristianismo, em contrapartida, o homem tem que declarar que não pode salvar-se a si próprio.

O Evangelho anuncia que Cristo, o Único que não conheceu pecado, foi feito «pecado» por nós (isso é pagou a pena dos nossos pecados), para que nós fóssemos feitos justiça de Deus. Nas palavras de Cranfield, comentando Romanos 3:25, «Deus... teve o propósito de dirigir contra seu próprio ser, na pessoa do Seu Filho, o peso total dessa ira justa a qual eles mereciam».

Assim podemos nós, com todas as nossas «maçarocas» - e mesmo com as «boas obras» que, orgulhosamente, julgamos que Deus vai apreciar – ser declarados justos, como se nunca tivéssemos pecado, e perdoados.

Aprecio muito este momento de transparência no relato de Saramago. Acredito que a ideia do Juízo Final ainda tem peso para ele. Gostava que ele conhecesse Jesus de maneira a receber o perdão dos pecados (tanto das «maçarocas» como das coisas que parecem ser melhores!)da sua vida –como eu O vim a conhecer.

Quando deixamos que Jesus faça a Sua vontade em nós, até conseguimos descer um pouco no nosso sentido de importância e dar a «maçaroca» ao «José Dinis»!

4 comentários:

Viviana disse...

Estimado Pastor Allan Pallister,


Apreciei muito seu texto e quero dar-lhe os meus parabens, não só pelo seu conteúdo mas tambem pelo belíssimo português que usou. È que dá gosto ler o que escreve...
Já não digo o mesmo do Prémio Nobel - José Saramago...
Um abraço

Viviana disse...

Qualquer coisa não correu bem aqui...é que não dá para ver o meu nome e asim não saberá quem escreveu.

Fui eu...

Viviana Leal

Anónimo disse...

intiresno muito, obrigado

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,