17 agosto 2009

Muletas

Este blogue não foi concebido essencialmente para tratar de questões de família! Mas a última vez que escrevi foi para descrever um passeio com o Andrew à Ilha da Berlenga. E, depois, o Andrew (como muitos sabem) teve um acidente.... Parece que é um membro da família cuja presença no blogue se está a impor! Ainda por cima, não escrevi durante seis semanas por causa de toda esta situação.

A fotografia em cima é para vos mostrar uma forma de apoio que ele não precisou de usar.

Aproveito primeiro para transmitir desta forma os nossos agradecimentos a Deus pela maneira como preservou o Andrew e mais quatro amigos de consequências mais graves ou permanentes... apesar de quatro do grupo terem sofrido fracturas da bacia e outras fracturas e traumatismos.

E, em segundo lugar, para agradecer a dezenas e dezenas de amigos que visitaram, telefonarem, mandaram E-mails e oraram por ele e por nós. Sei que isto inclui vários que também são leitores do blogue.

Disseram numa altura que era preciso arranjar «muletas axilares» (que não devem ser confundidos com canadianas) para uma fase da sua recuperação. Duas lojas de ortopedia em Caldas – e mais dez em Lisboa..... nenhuma tinha para uma pessoa com 1,93 metros! Cheguei de volta ao Hospital de Santa Maria, cheio de calor e frustrado por não encontrar as muletas ... e o Andrew disse que o tinham aconselhado afinal a não usar!

Agora está em casa e esteve duas vezes na igreja, para o espanto dos irmãos que se tinham empenhado tanto em apoiá-lo (e aos outros). E, para ir até lá, nem sequer precisou de usar uma canadiana!

A história das muletas lembraram-me uma polémica de alguns anos atrás - em Inglaterra. Era hábito dizer que «Deus» era uma «muleta» para pessoas com fraquezas e limitações que não tinham a autonomia suficiente para resolver os seus problemas sozinhos.

Quando surgem experiências como esta que nos aconteceu vejo cada vez mais claramente que Deus é Quem dirige tudo e faz sentido de tudo. É o Soberano que dá a vida, retira-á, poupa a vida de acidentados quando assim entende, de acordo com os Seus propósitos de justiça e amor, usa médicos e fisioterapeutas, opera milagres (com ou sem os recursos médicos), dá ao corpo humano uma capacidade extraordinária de recuperar - e, não menos, dá-nos o apoio uma família extraordinária cristã. Se depender destes factores todos é recorrer a «muletas», não vou fazer de conta que sou forte! É que, dependendo deles, tenho tudo o que preciso para viver!