31 agosto 2009

Sei lá onde é que ele está!

Esta palavra foi para mim uma das mais tristes que ouvi em anos de ministério pastoral. A incerteza manifestada foi de uma pessoa cujo marido falecera poucos dias antes. Ambos eram idosos e eram membros, baptizados recentemente, da nossa igreja. Um dia fomos visitar o casal. A senhora atendeu e perguntámos pelo marido. Disse-nos que tinha falecido dias antes e que o funeral tinha sido católico.
Tentei conter a tristeza que senti por ela nem sequer nos ter contactado. E disse algumas palavras no sentido de ela ter, da parte do Senhor, a consolação de saber que o seu marido agora estava com Ele. E a sua resposta foi esta: “Sei lá onde é que ele está.....!”.
Dificilmente conseguimos manter a conversa a seguir: tivemos uma vontade enorme de desaparecer logo para podermos chorar, em outro lugar, a falta de convicções ..... de pessoas que diziam ter abraçado a fé evangélica.
Ainda não vivíamos na época das igrejas «grandes», intituladas carismáticas, que, regra geral, não incluem na sua lista de convicções doutrinárias a certeza que o crente pode e deve possuir da sua salvação eterna, a partir do momento em que se arrepende dos seus pecados e aceita Jesus como Salvador e Senhor....
Agora, em retrospectiva, parece-me que, mesmo assim, a nossa igreja tinha estado a «crescer», em parte, com base em pessoas que não compreenderam verdadeiramente a doutrina da salvação. Depois ela não pôde continuar neste processo de «crescimento», porque outros vieram, com aparência de maiores milagres, para pregar a mensagem truncada de «salvação» sem segurança.
Outra senhora recém baptizada, quando a conheci pela primeira vez, apresentou-se como «uma alma salva pelo Pt. X....» Não me atrevi a dizer o óbvio... que teria sido melhor ela ter sido salva por Jesus. Visitámo-la várias vezes, mas para ela igreja sem Pt. X. não era igreja.....

É preciso, obviamente, ter algum cuidado com aquilo que digo aqui. Não estou a afirmar que o meu antecessor, sendo baptista e de convicções doutrinárias conservadoras, tenha pregado a tal doutrina truncada (que depois outras igrejas adoptaram por método). Também não creio que o seu esforço notável na evangelização tenha sido em vão. Pelo menos duas pessoas convertidas nessa altura tornaram-se depois membros dedicados da igreja com uma acção evangelística muito significativa... (apesar de uma delas posteriormente ter sido aliciada para se afastar da igreja). E acredito que haverá muito mais «fruto» genuíno do trabalho do meu colega que se verá no dia do Senhor.
Nem estou a dizer que o nosso trabalho evangelístico tenha sido melhor. Somos bastante menos dotados nessa área e a nossa atenção principal teve que ir para outras áreas. E também terminámos por baptizar algumas pessoas que, posteriormente, vimos que não tinham compreendido bem o significado desse passo..
A minha queixa é mais acerca da maneira como costumamos falar no crescimento numérico da igreja, contabilizando baptismos, e medindo o valor do nosso trabalho desta maneira. Pelo menos deve ser uma preocupação séria, cada vez que ajudamos uma pessoa a dar este passo,... que tenha compreendido bem Quem é o seu Salvador e qual é a salvação que Ele oferece.

3 comentários:

Henriette e João Pinheiro, Faro disse...

O que o Irmão conta é razão de muita preocupação para todos os que têm alguma responsabilidade da edificação de crentes. Não há dúvida que os líderes das igrejas t~em de insisitr, insistir, insisitr ( o orar, orar, orar )para que os fundamentos da Fé e os Textos da Palavra de deus se enraizem indelevelmente nas consciências e cada crente esteja preparado para dar «razão da Esperança» que há em nós ! Julgamos também que nunca é demais levar os novos crentes a obter a segurança daquilo em que crêem, nos Textos da Bíblia e nas Promessas do Senhor. Vemos, por exemplo, nos programas evangélicos "Luz das Nações" os entrevistados não terem o cuidado de avançar o suporte das suas afirmações e convicções com Textos das Escrituras ainda que tendo a Bíblia aberta nas mãos! Um abraço fraterno.

Henriette e João Pinheiro, Faro disse...

O que o Irmão conta é razão de muita preocupação para todos os que têm alguma responsabilidade da edificação de crentes. Não há dúvida que os líderes das igrejas t~em de insisitr, insistir, insisitr ( o orar, orar, orar )para que os fundamentos da Fé e os Textos da Palavra de deus se enraizem indelevelmente nas consciências e cada crente esteja preparado para dar «razão da Esperança» que há em nós ! Julgamos também que nunca é demais levar os novos crentes a obter a segurança daquilo em que crêem, nos Textos da Bíblia e nas Promessas do Senhor. Vemos, por exemplo, nos programas evangélicos "Luz das Nações" os entrevistados não terem o cuidado de avançar o suporte das suas afirmações e convicções com Textos das Escrituras ainda que tendo a Bíblia aberta nas mãos! Um abraço fraterno.

freefun0616 disse...

酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店經紀,
酒店打工經紀,
制服酒店工作,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
專業酒店經紀,
合法酒店經紀,
酒店暑假打工,
酒店寒假打工,
酒店經紀人,
菲梵酒店經紀,
酒店經紀,
禮服酒店上班,
酒店小姐兼職,
便服酒店工作,
酒店打工經紀,
制服酒店經紀,
酒店經紀,

,酒店,